Make your own free website on Tripod.com








GR69 - Grande Rota das Aldeias Miticas

6ªEtapa














Home | O Projecto | O Objectivo | Equipa | Track GPS | A Preparação | 1ªEtapa | 2ªEtapa | 3ªEtapa | 4ªEtapa | 5ªEtapa | 6ªEtapa | 7ªEtapa | Estatisticas | Galeria | Contactos





6ªEtapa

30 Abril

Abrantes – Aldeia Velha/Avis

Tipo de Etapa: Plana

Kms: 74,6

Media: 18,5

Tempo Movimento: 4:01:10

Tempo Total: 5:26:34

 

 

Chegamos a etapa mais rápida e mais curta da Grande Rota.

Com a partida às 8H50 da Pousada de Juventude de Abrantes, sabia que iria ser uma etapa sem grande esforço físico. Era a etapa que tinha menos quilómetros e com uma parte inicial até Ponte de Sôr muito rolante.

Podemos dividir esta etapa em duas

Abrantes – Ponte de Sôr

Ponte de Sôr – Abrantes

De Abrantes a Ponte de Sôr é super rolante em trilhos que não colocam resistência.

Esta parte da etapa é feita na talega. Não me poupei muito. Tinha dormido razoavelmente bem e sentia-me 100% fisicamente.

Os trilhos começavam a apresentar aquele aspecto de trilho alentejano. Piso de areia branca, com os sobreiros em nosso redor.

Rapidamente cheguei a Ponte de Sôr.

Em Ponte de Sôr o tempo estava muito instável. Estive muito tempo indeciso se ira lavar o impermeável, ou não. Acabei mesmo por vesti-lo e depois despi-lo. Foi o grande erro do dia.

Parti de Ponte de Sôr, direito a Aldeia velha pelo track da Maratona de Ponte de Sôr, organizada pelo BTTSôr. Ao fim de 5 kms começou a chover a sério. Sinceramente não me apetecia pedalar á chuva. Não tinha impermeável e ainda por cima estava frio.

Parei debaixo de um sobreiro e fiquei à espera que a chuva foi molhar outros.

Enquanto esperava num estradão, passou um carro que parou. Era um amigo dos trilhos. O grande amigo Paulo Bispo que conheci naquele dia.

Depois de falarmos um pouco do que andava a fazer ele prontificou-se de imediato a emprestar-me um impermeável. Eu disse que não. Que tinha um no carro de apoio. Mas que simpático, um verdadeiro amigo, resolveu em ir buscar o meu impermeável a Ponte de Sôr.

E assim foi. Enquanto levava com a chuva, o Paulo foi a Ponte de Sôr. Após algum tempo ele regressou com o maravilhoso impermeável.

Depois de mais uma pequena conversa sobre BTT e de uma foto, agradeci e coloquei-me a caminho.

De Ponte de Sôr à Aldeia Velha são 35 kms de rompe pernas, pequenas subidas que vão massacrando. Os trilhos são espectaculares. Depois de umas pequenas subidas, existe uma descida fabulástica.

 

Num subida um pouco íngreme ouvi um barulho, depois de observar, tinha partido um dente do prato do meio. Era a primeira avaria da Grande Rota. Fiquei um pouco preocupado. Sabia que ainda faltavam alguns quilómetros para acabar a etapa e tira que a fazer só com a avozinha e com a talega.

Com algum esforço, com cruzamentos doidos na transmissão, lá cheguei à mítica Aldeia Velha.

Acabei a etapa muito cedo (14H16m) o que me deu tempo de tomar banho, almoçar e partir para Ponte de Sôr no carro de apoio, para procurar reparar a avaria.

Fui a uma casa da especialidade em Bicicletas em Ponte de Sôr que logo de imediato procurou colocar o prato do meio.

Enquanto procediam à reparação da bike, muita gente me questionava o que eu andava a fazer.

Foram conversas muito interessantes e boas trocas de experiências, naquelas duas horas que estive na loja.

Depois de reparada a bike, regressei à Aldeia para um belo churrasco que permitiu levantar a moral, para a etapa do dia seguinte. A chamada Etapa Ultra Maratona.

Ás 21H30 já estava na cama a fazer contas ….

 

 

Notas:

Pequeno Almoço: Sandes Manteiga, Sandes Marmelada, Sumo Laranja e Meia de Lente e bolo

Almoço: Bifanas

Jantar: Entrecosto

Barras consumidas durante o dia: 3

Agua consumida durante o dia: 3 litros