Make your own free website on Tripod.com

MegaTour 2009

Home | O Projecto | O Objectivo | Equipa | 1ªEtapa | 2ªEtapa | 3ªEtapa | 4ªEtapa | 5ªEtapa | Tracks GPS | Estatisticas/Considerações Finais/Agradecimentos | Galeria | Forum | Contactos

3ªEtapa

3ªEtapa
Percursso: Arganil - Praias Fluviais do Interior - Aldeia Velha (Avis)

Data: 11 e 12 de Julho

Tipo de etapa: Montanha e Plana 
Kms: 361
Km/h Média: 34 km/h 
Total Movimento:  
Tempo Total:

 

Cronica

 

Desde o principio do ano de 2009 que a 3ªEtapa da MegaTour 2009, estava marcada para os dias 11 e 12 de Julho de 2009. Depois da 1ªEtapa que ligava Lisboa a Arganil e da 2ªEtapa circular que ligava Arganil – Serra da Estrela – Aldeia Históricas – Arganil, estava na hora de atacar a 3ªetapa que ligava Arganil à Aldeia Velha (Avis), pelas praias fluviais do Interior.

 

Toda a logística estava preparada. Enquanto uns iam a curtir de Jipe descapotável até ao norte, outros apanharam a Camioneta que os levou até à Catraia de Mouronho.

 

Os baris que foram de Jipe, estavam tanto a curtir a viagem que andaram a navegar pela serra da Lousã durante horas. Quatro horas e muitos minutos para fazer 200 e poucos quilómetros, será normal? Até de Bicicleta íamos mais rápido. Mas a viagem foi super divertida, sempre com mega vento na tromba.

 

A chegada foi feita em festa e os Olé Olé´s foram ouvidos a quilómetros de distância no planeta azul.

Pegamos na mitra e fomos jantar ao “Rio”. Bife da Sola para todos, servido pela melhor brasileira da região. As suas mamas estavam no auge e muito diziam se não estava grávida de trigémeos. Muitos disseram que não tinham feito nada e que já não molhavam o pincel à muito tempo.

 

Depois da janta existe sempre um estica as pernas, neste caso foi mesmo um Mega Nocturno de Jipe por meio de Alcalinos e Pinheiros. O mostro da escuridão andava por lá, mas como o bife estava azedo, com umas simples bufadelas mandamos o baril às couves.

 

Chegada a casa mítica dos Pousadouros, todos estavam podres de sono e de mais outras coisas do tipo que não são para aqui chamadas. O Luis mais uma vez teve companhia masculina no seu leito do amor. Tiago foi ao castigo, enquanto dos outros casais se deslocaram para as suas tendas.

 

A noite foi bem dormida por uns a base de xanax´s mas para outros nem conseguiram pregar o olho devido à ansiedade.

 

Estava da hora de colocar os motores a trabalhar. Todas as motas roncavam com barulhos de homens crescidos. Todas menos uma, porque a Mosca Atomica tem uma roncar um pouco gay. Parece uma gaja quando está constipada e faz atchim.

 

A partida dos Pousadouros deu-se às 7H50, com destino ao pequeno almoço que era em Arganil.

Claro que logo nos primeiros quilómetros, teria que existir um problema numa das motas. Desta vez foi a Mosca Atomica que teve problemas de fígado. O pinhão de ataque estava gasto e a corrente passava-se. Depois do belo pequeno almoço, às 8H30 já estávamos na oficina mítica de Arganil. Mas como é tudo devagar e devarinho o e o stock é curto, andamos a visitar todas as capelinhas à procura do dito pinhão de ataque. 

 

Depois de quase duas horas na treta, desistimos da assistência em Arganil. O resto dos rapazes foram pelos trilhos e a Mosca Atomica foi por estrada.

 

Gois actualmente é a capital dos Moto4 e foi mega fácil montar o pinhão de ataque e uma nova corrente. 61€ pelo trabalho. Toma lá e já começaste bem a Trip. OS rapazes estavam deliciados com a nova ligação de Arganil a Gois. Era o antigo traçado do Rali de Portugal. Foi brutal , disseram eles.

 

Depois de dar a guita ao Beto e olhar com um sorriso de orelha a orelha para a nova corrente, partimos montes e vales … eram mais monte, porque os vales era só em imaginação. Era uma sobe e sobe constante, por meio de eólicas e trilhos super branquinhos e lisinhos. Lindo de morrer. O ar era super puro. O que estava mesmo a estragar a paisagem eram as motas. Essas poluidoras do planeta em que alguns utilizadores continuam a achar que tirar o silenciador do escape é um acto de macho.

 

Estávamos no paraíso, porque em Portugal não deveríamos estar de certeza. Continua a dizer que esta é a minha vida. Por mim só fazia isto. Travessia e mais Travessias. Aventuras e mais Aventuras. Novas descobertas. Está-me no sangue. Que se lixe os gabinetes e a porcaria de trabalhar 8 horas por dia fechado dentro de quatro paredes.

 

Com a partida de Arganil às 11H e alguns minutos, só estávamos com 3 horas de atraso e isso veio-se a sentir no final do dia.

O primeiro grande objectivo era ir à Praia Fluvial de N.Srº da Piedade da Lousã, mas como estávamos muito atrasados, passamos ao lado, já que para ir à praia teríamos que nos afastar e depois regressar ao Track. A próxima praia a seguir à de Goios era a da Louçainha. Tivemos que também abortar a visita a essa Praia. Continuávamos super atrasados. Como já tinha passado a hora do almoço e a fome era negra, paramos para almoçar talvez na Aldeia mais mítica das Aldeias de Xisto (Gondramaz - http://www.aldeiasdoxisto.pt/aldeia/3/5/98/148).

 

A sopa à antiga cheia de material, o chouriço assado da região e a brutal paisagem onde estava inserido o restaurante, foram a fonte de alimento/inspiração para que os riders partissem de novo por montes e vales abandonados.

 

A praia fluvial Fragas S.Simão é talvez a melhor praia fluvial do pais. Inserida no meio de quedas de agua e num ambiente único, faz de nós sentirmos pequenos no meio de tanta natureza ainda virgem.

Nuno e Jorge não se fizeram de tios e mandaram-se logo para a agua. Estranho era a temperatura da agua. Gelada é sempre o grito que sai da boca, nas outras vezes que visitamos esta Praia, mas hoje a agua estava quente. É mesmo o principio do fim do planeta.

 

Umas jolas e um mergulhos e estava conquistada a praia. Rapidamente chegamos à Praia de Ana de Anis. Pequena praia muito, muito bonita, quase no meio de uma plantação de milho. Como chegamos por volta das oito da noite, foi chegar, ver, comer um geladão e partir para Praia de Ana Ruiva.

A chegada à Praia Fluvial de Ana Ruiva foi às 20H50. Era o sitio destinado para dormir numa casa para bonecas feita de madeira. As meninas já lá estavam a curtir que nem umas malucas.

 

Olé, olés foram gritados pela primeira conquista. Tínhamos terminado o primeiro dia, agora, sem problemas mecânicos. Físicos já não dizia o mesmo, porque se percebia que existiam pessoas com os olhos quase a fecharem-se.

 

Depois de andarmos a mocada para ver quem ficava a não dormir com o Luis (esse baril quer sempre dormir acompanhado …estranho), lá distribuímos os boliches por todos.

Jorge e o Nuno em versão estranha foram ao banho na luzfusco.

 

Jantarada em grande, com direito a apagarem as luzes para cantarmos os parabéns a umas baratas que andava por lá. A cerveja foi ao jarro e o bife era menos sola que do dia anterior.

Enquanto as gaijas foram roncar, os baril foram fazer uma nocturna de Jipe até Pronça-a-Nova.

Quem levou casaco, safou-se, os outros é como fossem ao pólo norte. Jipe descapotável? Para alguns, naquela noite, a resposta era “não obrigado”.

 

 A noite foi bem dormida. O corpo e a mente pediam que assim fosse.

7H00 e o despertador tocava. Todos deram uma valente carga de porrada no dito e viraram-se para o outro lado, mas depois alguém se apercebeu que estava foram de casa, quando o Luis se agarrou ao Nuno e disse .. . “querida mete-te a jeito”. Rapidamente ouviram-se gritos, não se prazer, mas para abandonar o ninho do amor.

 

Como não existia nada para comer por aquelas bandas, rapidamente saímos montados nas Burras.

O Objectivo era tomar o pequeno almoço na próxima Praia Fluvial. Malhadal de seu nome é uma bonita praia fluvial, colocada num vale. A agua é um pouco escura, mas o ambiente é agradável. Como o bar estava fechado, andamos 1 kms e fomos comer um bolicao, porque não existia mais nada, uma aldeia perto da Praia. A essa hora estava  4 pessoas a beberem media Sagres. Estavam cá com uma besana …

 

Neste segundo dia era apenas duas praias a visitar. Malhadal e Alamal no Gavião. A ligação do Malhadal ao Gavião é efectuado por trilhos muito, muito bons e bonitos. É curioso que o track do 2ªdia foi todo desenhado e não tivemos muitos problemas com trilhos fechados.

 

Antes de chegarmos ao Gavião, enquanto uns ficaram na Ponte, Jorge foi visitar o Castelo de Belver. É o Castelo da zona mas mítico. Alem de muito belo, tem uma paisagem do melhor que se pode ver em Portugal. Foram 40 minutos a imaginar conquistas e derrotas naquele espaço em que a historia tem muito por contar.

 

Antes da 12H estavam na Praia Fluvia de Alamal. É talvez a praia fluvial que se aproxima mais de uma praia de mar. A areia, os chapéus, as actividades e toda a estrutura, parece que estamos na Costa da Caparica, mas com muito menos pessoas. Eu pessoalmente gosto bastante. Tem uma paisagem de sonho e está-se muito bem.

 

As meninas chegaram lá pelas 12H15 e enquanto uns mergulhavam outros comiam. Enquanto uns fumavam, outros controlavam os rabos alheios. Deve ter sigo a Trip onde se fumou mais. É impressionantes os cigarros fumados. Bastava parar o motor das motas e a chucha já estava na boca.

Eram uns a seguir aos outros. Eu quero dar uma de Pai, mas os baris ainda não perceberam que os cigarros matam? Que não trás qualquer beneficio? Que cada cigarro que fumam é lhes retirado  4 minutos de vida? Que borregos …. Não devem mesmo de gostar de viver  …. Amem a Vida e deixem os cigarros.

 

Depois de uma belo bronze, partimos em direcção a Ponte-Sor. Estava curioso para ver o traçado. Mega rápido, com trilhos já muito parecidos como os da Aldeia Velha. Numa primeira fase, ainda algum sobe e desce mas depois praticamente plano e sem qualquer dificuldade técnica.

Foi de penalty do Gavião a Ponte Sor. Foi tanto de adrenalina como de velocidade.  Foi brutal.

A Mosca Atomica, não gostou muito. Ficou a grilar. Ainda lhe demos alface, mas nada a fazer.

Para não arriscar a ficar a pé, fizemos Ponte-Sor a Aldeia Velha por estrada. Já conhecíamos os trilhos e assim não ficamos desiludidos.

 

Quando chegamos à Aldeia tiramos a foto da praxe e ficamos surpreendidos que as raparigas já tinham chegado.

Foi arrumar as coisa e rumar de novo a maldita rotina.

Foi três de dias magníficos, cheios de aventura e de muitas boas recordações.

 

Até à próxima etapa da MegaTour em Setembro

 

Links

Praias Fluviais do Inteiror

http://www.praiasfluviais.com/index.asp

 

Aldeia de Xisto

http://www.aldeiasdoxisto.pt/index/5

 

TODAS AS FOTOS AQUI